sexta-feira, 29 de março de 2013

A Igreja e a Política em um Encontro Histórico - II Parte

Continuação...
A Situação da Igreja no IV Século.

O problema da Igreja.

Enfim a Igreja se encontrava livre para suas atividades. Depois do edito de Milão todas as propriedades deveriam ser devolvidas assim como os seus bens. Pastores não poderiam ser mais presos por causa de sua fé, o culto estava liberado em todo o império. Assim, a Igreja passou de perseguida a privilegiada em um período de tempo surpreendentemente curto, suas perspectivas mudaram por completo.

Depois de séculos como movimento contra-cultural, a Igreja precisava agora, aprender a lidar com o poder recebido do estado. A própria presença dinâmica de Constantino modelou a Igreja do século IV. Esse modelo serviu de base para os séculos posteriores. Constantino era um mestre do poder e da política, e a Igreja aprendeu com Constantino, usar essas ferramentas.

Tudo isso somou para um grande avanço do cristianismo nesta época, grande templos cristãos começavam a ser construídos, como relata Eusébio de Cesareia.
“E assim, todo o terreno que demarcou era muito maior. Por fora fortificou o recinto com um muro em toda a volta, de maneira que fosse uma defesa segura para toda a obra” e continua o Bispo de Cesareia “Quanto ao edifício basilical  consolidava-o com materiais mais ricos e abundantes, sem regatear gastos”[12].
Nesta época o cristianismo não tinha mais o foco em converter pessoas, pois o cristianismo era a religião protegida do império muitos pagãos começavam a aderir ao cristianismo não por convicção mais por benefícios sociais. Os Bispos por sua vez perderam a bondade e piedade para com o povo e para com Deus, estavam somente interessados em construir grandes templos, obras grandiosas, com o intuito de ser conhecidos diante do Imperador, para assim ganhar donativos pessoais do império.

Era tudo o que o Imperador precisava para colocar os seus verdadeiros ideais na mesa, e quando a Igreja percebeu já estava completamente corrompida, sem forças para lutar, decidindo então se aliar com os padrões da época.

A relação do Imperador com os Bispos.

Quando se fala em relacionamento entre autoridade estatal e autoridade eclesiástica, temos que ser muito cauteloso, pois o assunto necessita de grande atenção e apreço, da nossa parte.

Olhando para a história cristã de até então, nunca houve uma aproximação amigável e política entre essas duas autoridades, Jesus, por exemplo, nunca se uniu ao governo de sua época, ao contrario ele disse “O meu reino não é deste mundo” (Jo 18.36). Mas Jesus apregoou o respeito e obediência aos governantes, pois é Deus que os constitui.

Agora, em anos anteriores houve perseguição, e grande por sinal, vejamos que uma aproximação era praticamente impossível. Os Bispos só tinham acesso ao Imperador, quando estava ali esperando sua sentença, pela fé não negada. Mas o fato é que após o Edito de Milão, os Bispos se empenharam a construir os seus próprios impérios. Estavam gozando de credibilidade junto ao Imperador, que por sua vez mandavam quantias incontáveis aos Bispos de cada diocese. Como relata uma carta de Constantino a Ceciliano, Bispo de Cartago no ano de 313.
“ Parecendo-nos próprio que se conceda algo para os gastos de determinados ministros da legitima e muito santa religião cristã da África, Numídia e das duas Mauritânias, enviei cartas a Urso, varão ilustre, a fim de que proporcionasse a Vossa Firmeza o pagamento de três mil Óbolos”[13] 
Sobre isto também escreveu Eusébio
“Os supremos Imperadores, com suas contínuas legislações em favor dos cristãos, vinham a confirmar, ampliando-as e aumentando-as, as mercês da munificência de Deus. Também aos Bispos repetiam-se cartas pessoais do Imperador, honras e doações em dinheiro”[14]. 
Desta forma Constantino tinha o total controle sobre o clero e o império já não tinha a ameaça de uma revolta cristã, motivo a qual se deu todas as perseguições em anos anteriores. Como ressalta a opinião do Dr. Silvio Medeiros
“Desse modo, o cristianismo foi utilizado como instrumento de pacificação e unificação do Estado romano” continua “De outra parte, a justificativa cristã de que o poder dos Imperadores é determinado pelo direito divino concedeu a Constantino o privilégio de exercer com facilidade a Monarquia Absoluta Romana.”[15]
O auto clero da Igreja pode presenciar o espetáculo extraordinário, um Imperador romano estava presidindo os concílios da Igreja e tomado parte nos debates, sem que o clero se importasse com este fator, achando até que isto era um mover de Deus para com a sua Igreja como diz o historiador Knight[16]
“Em geral os cristãos não se ressentiam desta intrusão, pelo contrário consideravam-na como um auspicioso e feliz presságio” completa o Dr Kight “em lugar de censurar o Imperador pelo seu intrometimento, receberam-no como Bispo dos Bispos. O povo de Deus aceitou a proteção de um estado semi-pagão, e o cristianismo sofreu a maior degradação possível com a proteção de um potentado do mundo”.

O Concílio de Niceia.

O concílio de Niceia foi o primeiro Sínodo Ecumênico da história da Igreja Cristã. Foi realizado na cidade de Niceia no ano de 325, e tinha como maior objetivo discutir a doutrina cristológica do jovem Ário, presbítero de Alexandre, bem como alguns outros assuntos como a celebração da Páscoa, o cisma de Milécio, o batismo de heréticos a causa dos prisioneiros na perseguição de Licínio. Sem duvida alguma a questão ariana ganhou toda a atenção dos mais de 300 Bispos presentes neste concílio, deixando assim as outras questões em segundo plano.

Como já citado o concílio foi presidido pelo Imperador romano Constantino [17] que cedeu sua residência pessoal que tinha em Nicéia. Foi também oferecido pelo Império aos Bispos todas as comodidades do sistema de transporte imperial gratuitamente e ótimos alojamento no local da conferência, tudo isso visando a maior audiência possível.
“Vestido com roupas cheias de pedras incrustadas e multicoloridas, Constantino abriu o concílio. Ele disse aos mais de trezentos Bispos que compareceram àquela reunião que deveriam resolver o impasse. A divisão da Igreja, disse, era pior do que uma guerra, porque esse assunto envolvia a alma eterna.”[18]
A questão Ariana.

Ário, pastor na cidade de Alexandria, no Egito, excelente pregador, grande erudito dotado de um poder de persuasão muito grande, adepto ao ascetismo e também da teologia grega, que ensinava que Deus é um só e não pode ser conhecido. A base doutrinária deste conhecimento é: – Deus é tão radicalmente singular que não pode partilhar sua substância com qualquer outra coisa, somente Deus pode ser Deus. Assim Jesus seria um ser criado, divino, mas criado como qualquer outro ser. Ário também escreveu um livro intitulado de Thalia, nesta obra Ário proclama que Jesus era divino, mas não era Deus.
“Somente Deus, o Pai, poderia ser imortal, de modo que o Filho era, necessariamente, um ser criado. Ele era como o Pai, mas não era verdadeiramente Deus”. [19]

Esta doutrina adotada por Ário vinha de encontro à questão soteriológica da Igreja, pois se Cristo era um semi-deus, ser muito inferior a Deus, como poderia salvar o homem? Bispo Alexandre, de Alexandria, Pastor de Ário, adotava este raciocínio, dizia ele: – "Para que Jesus pudesse salvar a humanidade pecaminosa, ele precisava ser verdadeiramente Deus".

O Bispo Alexandre conseguiu que seu presbítero Ário fosse condenado por um sínodo, ocorrido na cidade de Alexandria, mas Ário era muito popular, tinha muitos adeptos, então rapidamente surgiram vários distúrbios em Alexandria devido a essa melindrosa disputa teológica, e outros clérigos começaram a se posicionar em favor de Ário.


“Muitos ex-pagãos se sentiam confortáveis com a opinião de Ário, pois, assim, podiam preservar a idéia familiar do Deus que não podia ser conhecido e podiam ver Jesus como um tipo de super-herói divino, não muito diferente dos heróis humanos-divinos da mitologia grega. Por ser um eloqüente pregador, Ário sabia extrair o máximo de sua capacidade de persuação e até mesmo chegou a colocar algumas de suas idéias em canções populares, que o povo costumava cantar”[20].
O Concílio.

Aberto oficialmente no dia 20 de maio de 325 e encerrado no dia 19 de junho do mesmo ano. Tendo na sua abertura oficial o discurso de Constantino vestido com roupas cheias de pedras incrustadas e multicoloridas, Ele disse aos mais de trezentos Bispos que compareceram àquela reunião que deveriam resolver o impasse. A divisão da Igreja, disse ele, era pior do que uma guerra, porque esse assunto envolvia a alma eterna.

Neste concílio havia três partidos formados o primeiro era liderado por Ário, que contava com o apoio de Eusébio, Bispo de Nicomédia. O segundo partido era liderado pelo Jovem Atanásio, que confessava que Cristo co-existiu com o Pai desde a eternidade e era da mesma substancia do Pai, mas tinha personalidade distinta. Já o terceiro partido foi o que representava a grande maioria dos Bispos presentes, tinha como seu líder o erudito e historiador Eusébio de Cesaréia, que adotou uma cristologia com uma posição equilibrada, não descartando pressupostos dos outros dois partidos, confessou ele que Cristo não era um ser criado, mais foi gerado pelo Pai antes da eternidade, sendo da mesma essência que o Pai, assim possuía personalidade diferente.


O Imperador Constantino coordenou os debates. Conduzindo a celeuma diante dos Bispos, Ário então com a palavra proclamou abertamente na reunião. “Jesus o Filho de Deus era um ser criado, não era eterno, e por ser diferente do Pai, era passível de mudança”. Os Bispos do Concílio contrários a esta ideia pararam de ouvir as suas palavras e imediatamente rejeitaram suas doutrinas, entendendo que eram distantes e estranhas à fé da Igreja. Eles rasgaram uma carta de Eusébio de Nicomédia contendo o ensinamento de Ário, bem como uma confissão da fé ariana[21].

A assembléia denunciou e condenou a afirmação de Ário, mas eles precisavam ir além disso. Era necessário elaborar um credo que proclamasse sua própria visão, assim nasceu o credo de Niceia.

A profissão de Fé e os cânones do Concílio de Niceia [22]

O Concílio de Niceia estabeleceu 20 cânones, os quais darão seqüência ao Credo. Um breve resumo de seu conteúdo:

Atas do Concílio de Niceia

Cânon I - Eunucos podem ser recebidos entre os clérigos, mas não serão aceitos aqueles que se castram.
Cânon II - Referente a não promoção imediata ao presbiterato daqueles que provieram do paganismo.
Cânon III - Nenhum deles deverá ter uma mulher em sua casa, exceto sua mãe, irmã e pessoas totalmente acima de suspeita.
Cânon IV - Relativo a escolha dos Bispos.
Cânon V - Relativo a excomunhão.
Cânon VI – Relativo aos patriarcas e sua jurisdição.
Cânon VII - O Bispo de Jerusalém seja honorificado, preservando-se intactos os direitos da Metrópole.
Cânon VIII - Refere-se aos novacianos.
Cânon IX - Quem quer que for ordenado sem exame deverá ser deposto, se depois vier a ser descoberto que foi culpado de crime.
Cânon X - Alguém que apostatou deve ser deposto, tivessem ou não consciência de sua culpa os que o ordenaram.
Cânon XI - Penitência que deve ser imposta aos apóstatas na perseguição de Licinio.
Cânon XII - Penitência que deve ser feita àqueles que apoiaram Licinio na sua guerra contra os cristãos.
Cânon XIII - Indulgência que deve ser dada aos moribundos.
Cânon XIV – Penitência que deve ser imposta aos catecúmenos que caíram em apostasia.
Cânon XV - Bispos, presbíteros e diáconos não se transferirão de cidade para cidade, mas deverão ser reconduzidos, se tentarem fazê-lo, para a Igreja para a qual foram ordenados.
Cânon XVI - Os presbíteros ou diáconos que desertarem de sua própria Igreja não devem ser admitidos em outra, mas devem ser devolvidos à sua própria diocese. A ordenação deve ser cancelada se algum Bispo ordenar alguém que pertence a outra Igreja, sem consentimento do Bispo dessa Igreja.
Cânon XVII - Se alguém do clero praticar usura deve ser excluído e deposto.
Cânon XVIII - Os diáconos devem permanecer dentro de suas atribuições. Não devem administrar a Eucaristia a presbíteros, nem tomá-la antes deles, nem sentar-se entre os presbíteros. Pois que tudo isso é contrário ao cânon e à correta ordem.
Cânon XIX - As regras a se seguir a respeito dos partidários de Paulo de Samósata que desejam retornar a Igreja.
Cânon XX - Nos dias do Senhor [refere-se aos domingos] e de Pentecostes, todos devem rezar de pé e não ajoelhados.

Nas atas do Concílio de Niceia assinadas por todos os Bispos participantes, com exceção dos dois seguidores de Ário, constou o texto da seguinte profissão de Fé:







Credo de Niceia.[23]

Cremos em um só Deus, Pai onipotente, criador de todas as coisas, visíveis e invisíveis; E em um só Senhor, Jesus Cristo, o Filho de Deus, gerado do Pai, unigênito, isto é, da substância [24] do Pai, Deus de Deus, Luz da Luz, Deus verdadeiro de Deus verdadeiro, gerado, não feito, de uma só substancia [25] com o Pai, pelo qual foram feitas todas as coisas, as que estão no céu e as que estão na terra; o qual, por nós homens e por nossa salvação, desceu, se encarnou e se fez homem [26], e sofreu e ressuscitou ao terceiro dia, subiu ao céu e novamente deve vir para julgar os vivos e os mortos; E no Espírito Santo. E a quantos dizem: “Ele era quando não era”, e “Antes que nascer, Ele não era”, ou que “foi feito do não existente”[27], bem como a quantos alegam ser o Filho de Deus “de outra substância ou essência”, ou “feito” ou “mutável”, ou “alterável” a todos estes a Igreja Católica e Apostólica anatematiza.

Soli Deo Gloria.

_____

Notas (I e II Parte)

[1] Utilizamos aqui este termo no sentido mais antigo da palavra, como aquilo que denota o “poder metafísico”.
[2] BETTENSON, Henry. Documentos da Igreja Cristã..São Paulo: Aste, 2007. p.47.
[3] MEDEIROS, Silvio. AULA DE HISTÓRIA III: O Edito de Milão e a consolidação histórica do Cristianismo. Disponível em: http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/2.5/br/.
[4] KNIGHT, A.E., ANGLIN, W. História do cristianismo. 2ª ed,. Rio de Janeiro: CPAD, 1983. p.20.
[5] KNIGHT, A.E., ANGLIN, W. op. cit. p.31.
[6] MEDEIROS, Silvio. op. cit.
[7] Informações retiradas do artigo “Constantino I” da Enciclopédia eletrônica livre Wikipédia disponível em: www.Wikipédia.com.br.
[8] KNIGHT, A.E., ANGLIN, W. op. cit. p.33.
[9] CURTIS, A. Kenneth.Os 100 acontecimentos mais importantes da história do cristianismo: do incêndio de Roma ao crescimento da igreja na China .trad. Emirson Justino. São Paulo: Editora Vida, 2003. p.28.
[10] EUSÉBIO, História Eclesiástica,São Paulo: Editora Novo Século, 2002. p.198.
[11] BETTENSON, Henry op. cit. p.49.
[12] EUSÉBIO, op. cit. pp. 211-2.
[13] BETTENSON, Henry op. cit. p.51.
[14] EUSÉBIO, op. cit. pp. 205-6.
[15] MEDEIROS, Silvio. op. cit.
[16] KNIGHT, A.E., ANGLIN, W. op. cit. p.34.
[17] Oficialmente o Concílio de Nicéia foi convocado pelo Imperador Constantino e foi presidido por Alexandre, Bispo de Alexandria ou Ósio, Bispo de Córdoba, mas é de conhecimento de todos que esta presidência era na verdade conduzida por Constantino.
[18] CURTIS, A. Kenneth. op. cit. p.30.
[19] Idem, Ibidem.
[20] CURTIS, A. Kenneth. op. cit. p.30.
[21] BRANDT, Steve. O Concílio de Nicéia. Apostolado Veritatis Splendor, Disponível em: http://www. veritatis. com.br/article/4328.
[22] Informações retiradas do artigo “Primeiro Concílio de Nicéia” da Enciclopédia eletrônica livre Wikipédia disponível em: www.Wikipédia.com.br.
[23] BETTENSON, Henry op. cit. p.62.
[24] Ek tes oysías toy patrós – “do mais íntimo ser do Pai” – unido inseparavelmente.
[25] Homooysion tõ patrí – ser inido intimamente com o Pai; embora distintos em existência, estão essencialmente unidos.
[26] Enanthôpésanta – tomando sobre si tudo aquilo que faz homem ao homem.
[27] Eks oyk óntôn – “do nada”.


________


BIBLIOGRAFIA (Geral).

BETTENSON, Henry. Documentos da Igreja Cristã..São Paulo: Aste, 2007. 452 p.
BÍBLIA Shedd: Antigo e Novo Testamento. Trad. João Ferreira de Almeida. 2.ed. rev. e atualiz. no Brasil. São Paulo: Vida Nova; Brasília: Sociedade Bíblica do Brasil, 1997. 1929 p.
CAIRNS, Earle E. O cristianismo através dos séculos:uma história da Igreja cristã.trad. Israel Belo de Azevedo.2. ed. São Paulo: Vida nova, 1995. 508 p.
CURTIS, A. Kenneth. Os 100 acontecimentos mais importantes da história do cristianismo: do incêndio de Roma ao crescimento da igreja na China .trad. Emirson Justino. São Paulo: Editora Vida, 2003. 205 p..
EUSÉBIOHistória Eclesiástica,São Paulo: Editora Novo Século, 2002. 223 p.
KNIGHT, A.E., ANGLIN, W. História do cristianismo. 2ª ed,. Rio de Janeiro: CPAD, 1983. 223 p.
PERES, Alcides Conejeiro. O catolicismo romano através dos tempos: uma análise de sua história e doutrinas. Rio de Janeiro: JUERP, 1995. 146 p.

Bibliografia eletrônicas.

BRANDT, Steve. O Concílio de Nicéia. Apostolado Veritatis Splendor, Disponível em: http://www. veritatis. com.br/article/4328. Acesso em: 28 de Março de 2013.
MEDEIROS, Silvio. AULA DE HISTÓRIA III: O Edito de Milão e a consolidação histórica do Cristianismo. Disponível em: http://www.recantodasletras.com.br/redacoes/571238. Acesso em: 28 de Março de 2013
VARO, Francisco. O que aconteceu no Concílio de Nicéia? Disponível em: http://www.opusdei.org.br/art.php?p=16353 Acesso em: 28 de Março de 2013.
WIKIPÉDIA, Enciclopédia eletrônica livre. Artigo “Constantino I” disponível em: www.Wikipédia.com.br. Acesso em: 28 de Março de 2013
WIKIPÉDIA, Enciclopédia eletrônica livre. Artigo “Primeiro Concílio de Nicéia” disponível em: www.Wikipédia.com.br. Acesso em: 28 de Março de 2013
OCULTURA, Enciclopédia eletrônica livre. Artigo “Primeiro Concílio de Nicéia” da disponível em: http://www.ocultura.org.br. Acesso em: 28 de Março de 2013

Postagens populares

Fernando Pessoa.

Ser feliz é reconhecer que vale a pena viver apesar de todos os desafios, incompreensões e períodos de crise.

Ser feliz é deixar de ser vítima dos problemas e se tornar um autor da própria história. É atravessar desertos fora de si, mas ser capaz de encontrar um oásis no recôndito da sua alma. É agradecer a Deus a cada manhã pelo milagre da vida.

Ser feliz é não ter medo dos próprios sentimentos. É saber falar de si mesmo. É ter coragem para ouvir um "não". É ter segurança para receber uma crítica, mesmo que injusta.

Pedras no caminho?

Guardo todas, um dia vou construir um castelo…